carregando...

Populações Indígenas em Santa Catarina

Populações Indígenas em Santa Catarina

Quem transita pelas ruas do centro de Florianópolis encontra mulheres e crianças Guarani, sentadas nas calçadas, vendendo artesanatos e plantas. A presença dessas pessoas raramente é notada pelos passantes.

É como se elas fossem invisíveis, ou apenas mais uma massa de pedintes que engrossam diariamente as estatísticas de pessoas que vivem nas ruas das capitais do Brasil. O quanto essa invisibilidade é sintomática da forma como geralmente se lida com a presença das populações indígenas no Brasil é algo que merece reflexão. Durante muito tempo, a elas foi negado um passado, o que significa dizer, uma experiência comum que lhes assegurasse identidade, organização e faculdade de guiar seus próprios destinos.

Por serem, os indivíduos que a compõem, raramente vistos como agentes, as populações indígenas geralmente foram apresentadas pela historiografia como sujeitadas à ação dos chamados brancos. Na outra extremidade da relação mantida com os povos indígenas encontramos as representações negativas de preguiçosos e aculturados. A atitude não difere muito da anterior, pois mantém a recusa em reconhecê-los como sujeitos, quando não, a recusa em reconhecer sua própria humanidade.

A diferença é que, nesse caso, parte-se para uma ação de violência, justificada pela lógica de que não compartilham mais as mesmas práticas a eles atribuídas a partir de um olhar etnocêntrico. Atualmente, os povos indígenas têm ocupado as ruas com manifestações políticas, têm reivindicado seus direitos em ações coletivas, exigido o reconhecimento das terras confiscadas e proclamado o direito de reconhecimento de sua cidadania. 

Ao se mobilizarem, as reivindicações vão desde o direito à ocupação de territórios um dia habitados por seus ancestrais até o direito de acesso a uma educação escolar ministrada em sua própria língua e respeitando sua cultura. Neste dossiê, buscamos apresentar os avanços da pesquisa efetuada por historiadores, em Santa Catarina, na área de história indígena.

Como poderá ser conferido pelos leitores, a história desses povos está entrelaçada à própria história catarinense e brasileira, ambas marcadas com o signo da violência e da exclusão, mas também da luta e da resistência. Os artigos selecionados buscam contemplar a trajetória dos povos indígenas em diversos momentos da história catarinense. Rafael Benassi dos Santos convida o leitor a fazer uma viagem no tempo para acompanhar os desdobramentos das ações em prol da educação indígena. Jaisson Teixeira Lino promove uma aventura pelo universo da arqueologia e revela a presença dos Guarani no litoral.

Tamires Tavares Pacheco e Luísa Tombini Wittmann destacam os contatos, geralmente traumáticos, estabelecidos com os Xokleng no vale do Itajai. Clóvis Antônio Brighenti e Carina Santos de Almeida exploram a violência e espionagem contra os Kaingang durante o século XX. Esperamos que o dossiê cative os leitores, não pelo exótico, mas, como anunciado pelo poeta, pela capacidade de revelar uma história que sempre esteve oculta, quando deveria ser evidenciada.

Continue lendo na edição número 53, clique na imagem para comprar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *